Cuidando de quem cuida: saúde mental para colaboradores

Programa do Viva Rio dá apoio à saúde mental de seus colaboradores

Com foco na saúde mental e no bem-estar de seus colaboradores, o Viva Rio mantém um programa que oferece apoio emocional e atividades de bem-estar para todos que trabalham na instituição: Cuidando de Quem Cuida. Entre as atividades realizadas pelo projeto, estão o atendimento psicossocial individual, grupos de escuta e palestras. De setembro de 2021 a janeiro deste ano, foram feitos 72 atendimentos individuais.

Criado em 2013, o Cuidando de Quem Cuida oferece, atualmente, apoio psicológico em quatro consultas psicoterápicas gratuitas, visitas a unidades com oferecimento de massagens relaxantes e realização de grupos de escuta.

Vários profissionais do Viva Rio relatam uma melhoria de seu bem-estar a partir do acompanhamento psicológico feito pelo programa. (Os nomes dos colaboradores foram omitidos para preservar sua privacidade).

“Passei por alguns momentos difíceis no meu local de trabalho, então a psicóloga Karen começou a fazer um acompanhamento comigo. Nas escutas, eu tinha medo de falar, até que fui me sentindo à vontade e me abri com ela. Em pouco tempo, parei com os remédios que tomava, meus dias foram melhorando, minha mente foi mudando a cada escuta. Hoje estou bem emocionalmente graças a esse atendimento”, conta um técnico de enfermagem, de 33 anos.

Outro colaborador, um administrador de 25 anos, ressalta a importância do projeto e elogia o atendimento prestado: “Só tenho a agradecer, porque o projeto mudou a minha vida completamente. Sou eternamente grato à psicóloga por ter me acolhido tão bem, e ao Viva Rio por esse projeto maravilhoso. Espero que vocês possam alcançar cada vez mais gente e não desistam do projeto que literalmente salva! ”

Karen Jones durante roda de conversa com profissionais do Hospital Oceânico Gilson Cantarino – Foto: Pedro Conforte

Nesta entrevista, a psicóloga Karen Jones, do Cuidando de Quem Cuida, dá dicas de como as empresas podem cuidar da saúde de seus colaboradores.

– No ambiente de trabalho, o que pode afetar a saúde mental dos funcionários?

São diversos fatores, que variam de acordo com o trabalho realizado. Recentemente, tivemos o reconhecimento da doença ocupacional Síndrome de Burnout, também conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional, onde funcionários apresentam quadros de estresse crônicos promovidos pelo excesso de trabalho e esgotamento físico e mental. Por isso, é importante atentar aos períodos de férias, folgas e afastamento em caso de doenças de qualquer natureza. Descansar não é um luxo, é extremamente importante para a saúde física e mental de todos nós.

– Como os gestores e coordenadores podem colaborar para um ambiente de trabalho saudável?
Escutar, sem julgar, e auxiliar o colaborador a buscar apoio. Nos atendimentos, ouvimos muitos relatos sobre a não compreensão dos colegas e gestores no ambiente de trabalho. Muitos, quando conseguem partilhar que não estão bem, ouvem dos colegas que “precisam ser fortes” e que “todos possuem problemas”.

– De que forma as empresas podem cuidar da saúde mental de seus colaboradores?

Participando ativamente de campanhas de prevenção, como o Setembro Amarelo e o Janeiro Branco; abrindo espaços de debates e aprendizado em palestras e rodas de conversas com profissionais da área; oferecendo acolhimento e escuta para casos onde o colaborador apresenta necessidade e/ou atestados de saúde mental. No início de algumas medicações, por exemplo, pode ser indicado que o sujeito fique em casa para se adaptar aos efeitos.

– O que uma pessoa deve fazer quando identificar sinais de que não está saudável mentalmente?

Não ter receio ou constrangimento em buscar auxílio de profissionais de Psicologia e Psiquiatria. O estigma em relação à saúde mental é o nosso maior inimigo no momento. Para se ter uma ideia, o tema que levantamos no mês de setembro (Setembro Amarelo), de prevenção do suicídio, estima que mais de 1 milhão de pessoas tentem suicídio todos os anos no mundo, sendo a segunda maior causa de morte é entre jovens dos 15 aos 29 anos. Desses, mais da metade não teve acesso e acompanhamento de saúde mental. É importante todos entendermos que saúde mental é também saúde do corpo e não se limita somente a casos graves. Também é responsável por promover desenvolvimento e crescimento pessoal, auxiliando em maior bem-estar, equilíbrio e felicidade do sujeito e de seus pares.

Para saber mais sobre o Cuidando de Quem Cuida e buscar atendimento, os colaboradores do Viva Rio devem enviar um e-mail para [email protected].

Posted in Sem categoria.